O LADO ERUDITO DE MIKLOS ROZSA

Publicado por admin em qui, 04/18/2019 - 09:28
Miklos Rozsa foi um dos maiores compositores da história da música no cinema, mas também um grande expoente da música erudita. Aliás, o húngaro Miklos Rozsa começou a compor peças eruditas, muito antes de se tornar um importante nome da música no cinema.

Miklos Rozsa foi um dos maiores compositores da história da música no cinema, mas também um grande expoente da música erudita. Aliás, o húngaro Miklos Rozsa começou a compor peças eruditas, muito antes de se tornar um importante nome da música no cinema. Aos cinco anos já tomava as primeiras aulas de violino, aprendendo posteriormente viola e piano. A primeira peça composta por Rozsa é de 1927, Serenata para trio de cordas. Posteriormente seguiram-se várias composições, dentre elas as mais importantes como NOTURNO HÚNGARO, THEME VARIATIONS AND FINALE, THREE HUNGARIAN SHETCHES, OVERTURE TO A SYMPHONY CONCERT,  THE VINTNER’S DAUGHTER, OP. 23ae ainda uma Sinfonia em três movimentos.

Rozsa tinha uma característica musical sempre impregnada pelo estilo de música que povoou a sua infância, seja tocando violinos com ciganos, seja observando os trabalhadores do campo. Rozsa nasceu em Budapeste no dia 18 de abril de 1907, mas viveu uma boa parte da sua infância numa aldeia chamada Nagylócz, situada aos pés da montanha de Mátra.

Depois de concluir sua formação musical em Leipzig, Rozsa acabou indo morar em Paris onde participou de várias apresentações. Uma das primeiras apresentações de Rozsa foi uma Serenata Húngara para orquestra que mereceu elogios por parte de Richard Strauss.  Na capital dos franceses Rozsa foi homenageado pelo amigo Arthur Honneger num memorável concerto com músicas compostas pelo húngaro. Nesta oportunidade é que Rozsa teve seu primeiro contato com o cinema, visto ter estimulado Honneger a compor a trilha sonora para o filme OS MISERAVEIS em 1934. Justamente nesta época, a produção erudita de Rozsa ganhava maior consistência através Tema, Variações e Final Opus 13 que ganhou destaque em toda a Europa com a obra sendo regida por renomados regentes como Bruno Walter, Georg Solti, Eugene Ormandy, Leonard Bernstein alem de muitos outros.

Rózsa morreu no dia 27 de julho de 1995, mas sua música está definitivamente imortalizada pelo cinema, através de trabalhos notáveis como por exemplo a trilha do filme de Alfred Hitchcock, QUANDO FALA O CORAÇÃO, que foi transformada por Elmer Bernstein em SPELLBOUND CONCERT. Um duo-pianístico maravilhoso gravado pela The Utah Symphony Orchestra, sob a regência de Elmer Bernstein com  Joshua Pierce e Dorothy Jonas ao piano.

Uma bela página musical composta por Miklos Rozsa foi uma Sonata Para Harpa com execução da harpista Susann McDonald. Clique no arquivo de áudio para ouvir.