INJUSTIÇAS DO OSCAR NA MÚSICA- PARTE 15.

Publicado por admin em sex, 03/02/2018 - 06:31
 compositor Ludovic Bource que também era um trilheiro publicitário, portanto que bebia muito na fonte do cinema, criou uma trilha sonora de O ARTISTA que se constituiu numa colagem de compositores clássicos do cinema como Franz Waxman,Bernard Herrmann, Max Steiner e Miklos Rozsa para compor a sua trilha e acabou levando o prêmio.

Houve um tempo em que um filme de cineastas como William Wyler, Fred Zinnemann e David Lean, as chances de premiação eram enormes. Nos dias de hoje existe sempre uma certa tendência em utilizar fórmulas antigas de conquistar êxito.

Se por acaso alguém descobrisse quais são os atributos principais que um filme deveria reunir, para ser premiado, claramente todos utilizariam a fórmula. O setor da publicidade, é um que sempre se abastece do cinema para criar suas peças publicitárias. Pois então um diretor que veio justamente do meio publicitário teve uma ideia de fazer um filme em que o roteiro fosse justamente daquelas figuras notórias do cinema tipo Fritz Lang, Hitchcock e Billy Wilder. Foi justamente desta forma que nasceu a ideia do filme O ARTISTA.

 Em 2011 o filme O ARTISTA acabou arrebatando 5 Oscar’s dentre eles de melhor trilha sonora. Não era para tanto, não obstante a intenção bonita de homenagear o cinema.

Mas na realidade, parece que os associados são hipnotizados e não conseguem olhar para o outro lado e perceber, por exemplo, no filme A INVENÇÃO DE HUGO CABRET que também se constituía numa belíssima homenagem ao cinema pelo cineasta Martin Scorsese. Tão desafiador quanto foi o trabalho para O SENHOR DOS ANÉIS, o compositor Howard Shore mergulhou no tempo, pesquisando, ouvindo músicas, reunindo informações da época e culminando com a produção de uma esmerada trilha sonora. Nada melhor para um compositor do que ter tempo e dinheiro para produzir o melhor. Nesse sentido, Howard Shore dispôs de cinco meses para concluir o seu trabalho, que teve início com uma orquestra de aproximadamente 88 integrantes, complementando com um sexteto. Aliás, o sexteto foi responsável pela essência musical da trilha, já que os instrumentos utilizados foram de fundamental importância na estruturação dos temas, na ambientação e funcionalidade musical para o filme. Howard Shore teve um sexteto formado por Ondas Maternot (instrumento eletrônico com teclado que possui uma característica de produzir sons ondulantes), museta (uma gaita francesa), piano, guitarra cigana, baixo e bateria.

O compositor Ludovic Bource que também era um trilheiro publicitário, portanto que bebia muito na fonte do cinema, criou uma trilha sonora de O ARTISTA que se constituiu numa colagem de compositores clássicos do cinema como Franz Waxman,Bernard Herrmann, Max Steiner e Miklos Rozsa para compor a sua trilha e acabou levando o prêmio.

Bem Ludovic Bource ganhou o Oscar e até que ponto o prêmio serviu para alavancar a sua carreira? Parece que não muito, pois após este prêmio, sua produção se restringiu a alguns curtas, vídeos e trilhas para a televisão.

Na trilha sonora de O ARTISTA, valeu aquela máxima de que copiar de um é plágio, mais que um então é pesquisa.