ELLA E JOHN (2017)

Publicado por admin em sab, 06/16/2018 - 09:30
A grande mensagem do filme está no fato de que quando se pensa que alguém está se despedindo da vida, ela está indo de encontro a uma nova maneira de viver o tempo que resta da vida.

Este é o título do filme que marca a estréia do cineasta italiano Paolo Virzi em Hollywood. Dois pesos pesados da interpretação no elenco, a inglesa Helen Mirren e o canadense Donald Sutherland vivendo um casal que busca numa viagem de trailer a liberdade sonhada. Na bagagem cada um carrega sua doença, ela em tratamento de um câncer e ele ex-professor de literatura lembra das obras de Joyce e Hemingway, mas se esquece que seus filhos já são adultos. Numa espécie de road-movie, o filme prepara os jovens para aquilo que terão de viver no futuro, enquanto que para os mais maduros, aquilo que passarão a viver num presente próximo. Por mais banal e comum que possa ser a história contada, nitidamente ela incomoda, principalmente pelo fato que você conhece alguma historia de vida de alguém que se assemelha com a história contada na tela, saiba que é mera coincidência.

As críticas que foram endereçadas ao filme, mais se assemelham a uma certa indiferença  misturado com mau humor que a indústria cinematográfica tem revelado, quando se trata de reproduzir a vivência da terceira ou quarta idade. Hollywood continua valorizando mais a maquiagem de jovem transformado em idoso, do que valorizar a presença em cena daqueles que carregam a experiência na arte da interpretação. Podemos contar nos dedos as vezes em que o cinema se mostrou pródigo em reservar papeis principais a dois veteranos. Por exemplo, Num Lago Dourado com Henry Fonda e Katherine Hepburn.

O cineasta Paolo Virzi concorreu no ano passado ao Leõ de Ouro de Veneza como melhor diretor, faturando no Festival de Cinema de Sofia na Bulgária o premio de melhor direção pelo seu trabalho. A exemplo de outras produções, novamente o diretor conta com a participação do seu irmão Paolo Virzi compondo a trilha sonora, assim como selecionando repertório de canções que pudesse oferecer um gancho para a história contada como Its Too Late na voz de Carole King ou ainda Me and Bobby McGee com Janis Joplin.

A grande mensagem do filme está no fato de que quando se pensa que alguém está se despedindo da vida, ela está indo de encontro a uma nova maneira de viver o tempo que resta da vida.