KALINKA, EM NOME DA MINHA FILHA

Publicado por admin em sab, 04/07/2018 - 19:01
Depois de enterrar a filha, ele resolve então investigar o caso, para apurar as reais causas determinantes da morte. Sua surpresa maior acontece a partir do momento em que as suspeitas se voltam para o padrasto o médico Dr. Krombach.

Depois de uma experiência com curtas, documentários e produções televisivas, o cineasta Vincent Garenq em 2008 dirigiu seu primeiro longa. Já em 2016 no seu quarto longa metragem ele aposta no tema baseado em fatos reais e na própria tradição do cinema francês em thrillers policiai. O ator Daniel Auteuil interpreta André Bamberski que tem como primeiro trauma a traição da esposa e a subsequente separação. Bamberski concorda que o casal de filhos vá passar uns dias com a mãe que vive na Alemanha com o médico Dr. Krombach que foi o responsável pela separação. O que Bamberski não sabia é que aquele aceno no aeroporto para sua filha Kalinka seria de adeus definitivo. Alguns dias depois ele recebe a notícia de que a filha foi encontrada morta, em circunstâncias pouco esclarecedoras. Depois de enterrar a filha, ele resolve então investigar o caso, para apurar as reais causas determinantes da morte. Sua surpresa maior acontece a partir do momento em que as suspeitas se voltam para o padrasto o médico Dr. Krombach. Bamberski vai transformar essa investigação da morte da filha Kalinka no sentido real da sua vida. A determinação e força de vontade permitirão que ele não desanime até a completa elucidação do caso. Esbarrando na impunidade quando se trata de pessoas acima de qualquer suspeita, além das questões que envolvem relações internacionais, nada disso será pretexto para que Bamberski desista, pois o que ele pretende é ver o médico alemão atrás das grades.

A trilha sonora foi composta pelo francês Nicolas Errèra que desde 1984 se dedica ao campo das trilhas sonoras. A maioria das suas 65 trilhas compostas até aqui tem sido de forma preponderante para series televisivas e também curtas metragens. Um dos trabalhos mais elogiados de Nicolas Errèra foi para o filme de 2015 MOUNTAIN CRY, música que lhe valeu o Prêmio Jerry Goldsmith, que é concedido anualmente as melhores trilhas, fazendo parte do evento intitulado Conferência Internacional de Música de Cinema, da cidade de Ubeda na Espanha.