AS INJUSTIÇAS DO OSCAR NA MÚSICA -PARTE 3.

Publicado por admin em seg, 02/19/2018 - 11:00
O compositor Bernard Herrmann acabou sendo indicado com duas trilhas para concorrer ao prêmio, respectivamente pelas músicas de O HOMEM QUE VENDEU SUA ALMA e ainda CIDADÃO KANE. A trilha de CIDADÃO KANE acabou desclassificada e Herrmann concorreu então com a música de HOMEM QUE VENDEU SUA ALMA.

No ano de 1941 em que na festa do Oscar o grande ganhador foi o filme COMO ERA VERDE O MEU VALE. Naquele ano, a Academia elaborou uma listagem com 18 trilhas sonoras que estariam concorrendo ao Oscar de música original. O compositor Bernard Herrmann acabou sendo indicado com duas trilhas para concorrer ao prêmio, respectivamente pelas músicas de O HOMEM QUE VENDEU SUA ALMA e ainda CIDADÃO KANE. A trilha de CIDADÃO KANE acabou desclassificada e Herrmann concorreu então com a música de HOMEM QUE VENDEU SUA ALMA. Ele disputou o prêmio com os compositores Alfred Newman (Como Era Verde o Meu Vale), Franz Waxman ( Suspeita), Miklos Rozsa ( Lydia). Um dos fatores que poderia ter contribuído para a desclassificação da trilha sonora de CIDADÃO KANE foi a campanha que se estabeleceu contra o filme, por parte do empresário William Randolph Hearst, identificado no filme como Charles Foster Kane. O outro motivo seria o fato do cineasta Orson Welles demonstrar sempre indisfarçável desprezo por Hollywood, alem de ter sido acusado de simpatizante do comunismo.

A grande repercussão depois da festa do Oscar acabou ficando por conta do filme CIDADÃO KANE, em que pese ter vencido apenas com o melhor roteiro, arrebatou 10  outros prêmios inclusive do Circulo de Críticos de Nova Iorque. Já a música de Bernard Herrmann para CIDADÃO KANE, música preterida pelo Oscar, também ganhou grande destaque, com o filme ficando nas principais listagens dos 10 maiores filmes de todos os tempos.

Nos arquivos de áudio as trilhas sonoras de CIDADÃO KANE e posteriormente de HOMEM QUE VENDEU SUA ALMA compostas por Bernard Herrmann.