AS INJUSTIÇAS DO OSCAR NA MÚSICA- PARTE 13.

Publicado por admin em qua, 02/28/2018 - 08:01
Naquele ano quem fez barba e cabelo com melhor música e canção foi o indiano A.R. Rahman com a trilha de QUEM QUER SER MILIONÁRIO. Das dez indicações obtidas, o filme levou 8 prêmios. Inegavelmente o filme se transformou num grande fenômeno, pois custou 15 milhões e conseguiu mundialmente um faturamento superior a 370 milhões de dólares.

Desde o início da premiação o Oscar sempre buscou seguir uma orientação de procurar sempre estabelecer um julgamento honesto em suas escolhas. Da mesma forma, procurar sempre expressar e representar bem, o que seria o pensamento da própria indústria cinematográfica. Ocorre que principalmente a partir dos anos oitenta, o que pudemos sentir foi a utilização de estratégias de marketing, com objetivo de conquistar votos dos associados.

Durante toda a história do prêmio, sempre tivemos muitas reclamações quanto aos critérios de indicação para o Oscar. Por outro lado, a resposta da Academia nunca mudou ao longo do tempo e a justificativa recai sobre o fato de que são apenas cinco os indicados. Bem, isto praticamente já assegura que nem todo o trabalho merecedor, pode ser distinguido por uma indicação. O curioso nesse contexto muitas vezes mostra que filmes de popularidade acabaram sendo indicados, não pelos méritos, mas sim pela própria popularidade alcançada. Por isso que essa popularidade, muitas vezes acaba garantida pela publicidade em torno da produção.

 Mais uma grande derrapagem da Academia quanto a melhor música de 2009, repetindo erros do passado. Naquele ano existiam duas trilhas favoritas concorrendo, sendo a primeira do francês  Alexandre Desplat para o filme O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON. Vale frisar que das dez indicações que o filme obteve, três foram transformadas em Oscar. A outra trilha preterida foi composta por  Thomas Newman para o filme de animação WALL-E. O filme de animação obteve seis indicações , levando apenas um Oscar, de melhor filme de animação do ano. Naquele ano quem fez barba e cabelo com melhor música e canção foi o indiano A.R. Rahman com a trilha de QUEM QUER SER MILIONÁRIO. Das dez indicações obtidas, o filme levou 8 prêmios. Inegavelmente o filme se transformou num grande fenômeno, pois custou 15 milhões e conseguiu mundialmente um faturamento superior a 370 milhões de dólares. A Índia é o segundo mercado cinematográfico do mundo, perdendo apenas para os americanos e isso inegavelmente também ajudou a alavancar o sucesso do filme QUEM QUER SER MILIONÁRIO.

A constatação no entanto é de que na disputa da música pelo Oscar o francês apresentou um trabalho de grande qualidade e foi ofuscado pela enxurrada de prêmios do filme QUEM QUER SER MILIONÁRIO.