TRIBUTO PARA LUIS BACALOV

Publicado por admin em qui, 08/30/2018 - 19:25
Bacalov também dirigindo a orquestra e produzindo arranjos escorava importantes nomes da música popular italiana como Rita Pavone, Nico Fidenco e Sergio Endrigo com quem celebrou uma parceria de quase duas décadas. Ironia do destino, por ocasião da trilha sonora O CARTEIRO E O POETA de 1994 que lhe valeu o Oscar, ele acabou implacavelmente acusado de plágio da música In My Nights de Sergio Endrigo.

Luis Enriquez Bacalov nasceu em San Martin província de Buenos Aires, Argentina, no dia 30 de agosto de 1933. Faleceu vítima de leucemia no dia 15 de novembro de 2017, em Roma, Itália. Começou a estudar música aos cinco anos e durante a década de quarenta e cinquenta desenvolveu uma carreira concertista com várias apresentações pela América do Sul e também Espanha. Em 1954 estreou no cinema, compondo a trilha sonora da comédia dirigida por Edoardo De Fillippo ESTES FANTASMAS, este trabalho que o estimulou para que em 1959 fosse morar na Itália. Mas o seu primeiro sucesso no campo das trilhas sonoras aconteceu por ocasião do filme O EVANGELHO SEGUNDO SÃO MATEUS do cineasta Pier Paolo Pasolini, quando ele se utiliza de algumas peças clássicas de Bach. Até então ele assinava como Luis Enriquez, sendo que em 1966 com a trilha sonora do spaghetti-western DJANGO ele conquista um enorme sucesso, com a canção tema interpretada por Berto Fia, frequentando as paradas de sucesso por várias semanas. Nessa época, além do cinema, Bacalov também dirigindo a orquestra e produzindo arranjos escorava importantes nomes da música popular italiana como Rita Pavone, Nico Fidenco e Sergio Endrigo com quem celebrou uma parceria de quase duas décadas. Ironia do destino, por ocasião da trilha sonora O CARTEIRO E O POETA de 1994 que lhe valeu o Oscar, ele acabou implacavelmente acusado de plágio da música In My Nights de Sergio Endrigo. Foi um caso rumoroso que demandou 18 anos e terminou com um acordo em que Bacalov incluiu o nome de Endrigo, que no entanto já havia falecido. 

Luis Bacalov ao longo de uma carreira gloriosa, teve também a oportunidade de trabalhar com Federico Fellini por ocasião do filme CIDADE DAS MULHERES, mas a experiência não trouxe boas lembranças. Ao todo foram mais de 160 trilhas compostas, rendendo além de 1 Oscar pelo menos mais 11 prêmios importantes. Dentre suas trilhas mais importantes poderíamos citar O Último Grande Duelo de 1972, Anos Rebeldes de 1994, A Trégua de  1997, Il Cielo Cade de 2000, além demuitas outras. Quentin Tarantino utilizou as trilhas O Último Grande Duelo e Django nos filme KILL BILL e DJANGO LIVRE.

Em 1968 Bacalov assinou a trilha sonora do filme UMA ROSA PARA TODOS, que foi rodado no Rio de Janeiro e a canção tema interpretada por Juca Chaves. Em 1981 ele trabalha com o diretor brasileiro J.B. Tanko por ocasião do filme OS SALTIMBANCOS TRAPALHÕES com Renato Aragão.

Luis Bacalov teve uma experiência inovadora nos anos setenta, quando compôs um Concerto Barroco que acabou se traduzindo numa experiência de um rock sinfônico, executado por uma banda italiana. Além do cinema, Bacalov também produziu peças eruditas como concertos para piano , além de trilhas sonoras para o teatro. Luis Bacalov um argentino com a alma italiana.