RELIGIÃO E CINEMA 1

Publicado por admin em qui, 03/29/2018 - 19:01
Nessa época tivemos casos de muitos diretores que desafiaram publicamente esta Legião e quase acabaram em desgraça, como  foi o caso de Otto Preminger e outros tantos. Deste diretor, um dos filmes mais censurados foi O  HOMEM DO BRAÇO DE OURO, com Frank Sinatra, Eleonor Parker e Kim Novack. A temática do filme era tida pela igreja como horripilante, as drogas.

Ao longo do primeiro século o cinema travou embates seríssimos com a igreja. Não é segredo para ninguém que durante um bom tempo a igreja católica teve diante do cinema uma atitude muito hostil e de grande desconfiança. Em 1948, durante um congresso cinematográfico em Paris, o padre Grandjan afirmou que o seu entusiasmo por Tom Mix e Buster Keaton , se descoberto, por acaso assistindo  a alguns desses filmes, fatalmente ele seria expulso do colégio que estudava. Se fizermos uma detida e meticulosa investigação haveremos de concluir que essa aversão em colégios de padre pelo cinema, em determinados gêneros, continua bastante latente. Sem dúvida é grande o número de padres, ainda hoje, que assumem uma postura de total rejeição ao cinema. Dando um mergulho no passado, quando da década de 1920, depois de alguns escândalos provocados por estrelas do cinema mudo, nascia o Código de Censura, que devido a fortes pressões da Legião Americana de Decência e de outras entidades religiosas, acabaram enrijecendo ainda mais o próprio código. Os tabus chegaram a tal ponto de que na tela, mesmo marido e mulher, não poderiam ser vistos juntos na cama. A coisa só começou a mudar mesmo a partir do final da segunda guerra. A Legião Nacional de Decência nasceu devido a uma mobilização rígida e inflexível de bispos norte-americanos, cuja preocupação precípua era de censurar o conteúdo dos filmes. Nessa época tivemos casos de muitos diretores que desafiaram publicamente esta Legião e quase acabaram em desgraça, como  foi o caso de Otto Preminger e outros tantos. Deste diretor, um dos filmes mais censurados foi O  HOMEM DO BRAÇO DE OURO, com Frank Sinatra, Eleonor Parker e Kim Novack. A temática do filme era tida pela igreja como horripilante, as drogas.

A trilha sonora de O HOMEM DO BRAÇO DE OURO rendeu ao compositor Elmer Bernstein sua primeira indicação para concorrer ao Oscar, mas ele perdeu a disputa para o lendário Alfred Newman, que também concorria com a música de SUPLÍCIO DE UMA SAUDADE. Para executar a trilha sonora de O HOMEM DO BRAÇO DE OURO, o compositor Elmer Bernstein contou com verdadeiros pesos pesados como Peter Candoli no trompete, Milt Bernhard no trombone, Bud Shank no sax-alto e Bob Cooper no sax-tenor.