O DESTINO DE UMA NAÇÃO.

Publicado por admin em dom, 01/14/2018 - 21:36
A funcionalidade da trilha sonora de Dario Marianelli nos permite afirmar que se trata de um dos mais importantes trabalhos do compositor italiano, principalmente dado o papel que a música assume no contexto da narrativa cinematográfica.

A parceria do diretor inglês  Joe Wrigth com o compositor de trilhas Dario Marianelli teve início em 2005 através do filme Orgulho & Preconceito. Já em 2007, por ocasião do filme Desejo e Reparação, o reconhecimento do trabalho musical de Marianelli , com este conquistando o Oscar.

Agora em 2017, Wright e Marianeli estão novamente juntos no filme O DESTINO DE UMA NAÇÃO.  Um thriller político inteligente, valorizado pelo desempenho soberbo de Gary Oldman no papel do Primeiro Ministro britânico  Winston Churchill. Uma narrativa instigante de fatos que se desenrolam em pleno mês de maio de 1940, justamente no instante em que Churchill é escolhido como Primeiro Ministro enfrentando incríveis desafios como a desconfiança do Rei George VI, do seu próprio partido, a investida dos alemães encurralando os ingleses e uma pressão para que fosse celebrado um acordo de paz com Hitler.

Uma atmosfera permeada por enorme tensão, que a câmera capta de forma inteligente. Churchill  é fisicamente obeso, mas  ágil no raciocínio e extremamente temperamental nas atitudes.

Todos esses ingredientes permitem que o tempero musical possa contribuir para amplificar ainda mais o clima de tensão que a narrativa sugere. Nesse ponto emerge então a música de Dario Marianelli que tem a responsabilidade de estimular a propulsão exigida pela história contada na tela.

Quando fui assistir ao filme, não tinha conhecimento sobre o autor da trilha sonora e como os créditos só aparecem no final, então tentei adivinhar em função de alguns acordes que me pareciam característicos do francês Alexandre Desplat. Somente ao final, vim a saber que se tratava do novo trabalho do compositor italiano Dario Marianelli. O que chamou-me particularmente a atenção foi a participação do piano, que em determinados momentos, como no próprio Prelúdio assume o papel principal. Na faixa “Where is Winston? O piano do islandês Vikingur Olafsson faz o papel dos ponteiros do relógio marcando o tempo. Já na faixa Winston e George, temos um Corne inglês, que serve para quebrar o protocolo na relação do Premier com o Rei. Já na faixa The War Roms, Marianelli nos brinda com o tema de Churchill assumindo uma conotação militar, mas pontuando o próprio clima sombrio da situação.

Na cena em que Churchill ouve o relato da sua datilógrafa Lilly sobre o paradeiro do seu irmão, há um hiato em que o silêncio preenche o espaço da cena mas esgotado o limite, a música tem que marcar presença, é quando então emerge de forma calibrada a faixa Just Before The Dawn, que serve para cutucar a emoção do espectador.

Por outro lado, dada a relevância do próprio personagem central da história, faltou um tema de Churchill, que serviria para destacar sua presença em cena. Na realidade a característica musical de Marianelli para o filme, acabou  diluída em outras faixas musicais, não permitindo a existência de um Tema Principal.

A funcionalidade da trilha sonora de Dario Marianelli nos permite afirmar que se trata de um dos mais importantes trabalhos do compositor italiano, principalmente dado o papel que a música assume no contexto da narrativa cinematográfica.