AS CORDAS DE HILDUR

Publicado por admin em sab, 10/05/2019 - 10:24
A música de Hildur Gudnadottir exerce um fascínio tão forte que mesmo sem assistir nem ao menos o trailer do filme mas ouvindo a música, você já praticamente se projeta dentro da história e isso o estimula a conhecer a história a ser contada na tela. Um exemplo disso pode ser dado através da música “Call Me Joker”da trilha sonora de CORINGA.

Quando criança, Hildur Gudnadottir despertou o seu interesse pela música, elegendo o violoncelo não deixando se intimidar pelo tamanho do instrumento. A sua formação musical foi complementada com os estudos na Academia de Artes da Islândia e posteriormente na Universidade Kunste de Berlim. Após a conclusão dos estudos no ensino superior, parte então para colocar em prática toda a teoria assimilada. Com forte formação erudita, a sua versatilidade começou a surgir com suas participações em grupos musicais como o Kitchen Motors. Sua aproximação com o cinema, se deu através da parceria com o seu compatriota Jóhann Jóhannsson. Foi justamente essa experiência que está refletida em seus trabalhos para o cinema, desde o seu primeiro trabalho em 2011 para o filme The Bleeding, como mais tarde a consagração do seu estilo em 2018 com dois esplendidos trabalhos Maria Madalena e Sicário: Dia do Soldado. Depois de alternar trabalhos para series televisivas, ela retorna em grande estilo para a tela grande do cinema através de CORINGA, filme do cineasta Todd Philips. Um dos grandes atributos da compositora Hildur Gudnadottir está na capacidade que ela demonstra em extrair do seu instrumento, o violoncelo, um amplo espectro de sonoridade capaz de rechear qualquer cena, independente da paisagem, enredo, mas o que sobressai é exatamente a sonoridade expressiva, que contribui para reforçar a cena. Assim como Jóhann Jóhannsson foi capaz de mudar o padrão das trilhas sonoras, por meio de uma parafernália eletrônica de extrema harmonia e pertinência, a mesma tese se aplica para as cordas do violoncelo que reforçam um estilo extremamente original de  Hildur Gudnadottir, que servirá para mudar a estrutura musical das trilhas sonoras.

A música de Hildur Gudnadottir exerce um fascínio tão forte que mesmo sem assistir nem ao menos o trailer do filme mas ouvindo a música, você já praticamente se projeta dentro da história e isso o estimula a conhecer a história a ser contada na tela. Um exemplo disso pode ser dado através da música “Call Me Joker”da trilha sonora do filme CORINGA.