A GRANDE MENTIRA

Publicado por admin em seg, 01/27/2020 - 11:04
A GRANDE MENTIRA, seguramente é um grande thriller que diferentemente do  filme de Bill Condon, DEUSES E MONSTROS de 1998, que foi subestimado, já o seu novo filme tem tudo para agradar público e crítica.

 

Quando se fala de filme no estilo a gata e o rato, logo vem na lembrança dos mais antigos a dupla romântica formada por Bruce Willis e Cybill Shepherd, que à época aquela dupla estava na casa dos trinta anos. Bem, agora pensem numa dupla quase octogenária, como a do filme do cineasta Bill Condon A GRANDE MENTIRA, formada por Ian McKellen e Helen Mirren, dois atores ingleses de primeira linha. Ian e Helen já estiveram juntos nos palcos, mas na tela é a primeira vez que eles contracenam num filme profundamente instigante e com final surpreendente. O cineasta Bill Condon dirigiu Ian McKellen pela primeira vez, quando do filme Deuses e Monstros de 1988. Em A GRANDE MENTIRA, Ian McKellen vive um personagem tão fictício quanto o Gandalf de O SENHOR DOS ANÉIS, mas que neste filme se chama Roy, cuja grande especialidade é aplicar golpes em viúvas incautas. Já Helen Mirren interpreta a viúva Betty que num site de relacionamentos, troca mensagens com Roy quando então marcam o primeiro encontro. Roy também tem outra especialidade que é de aplicar golpes com aplicações em pirâmides financeiras. Enquanto isso, Betty longe de se mostrar como uma aranha viúva negra, mostra um currículo e uma conta bancária para um sedutor vigarista capaz de arrancar até o último centavo da sua presa. Na relação que estabelece com Betty, o vigarista Roy se mostra um cavalheiro de bom coração, que abomina a mentira, mas que acredita que antes mentir para um final feliz, do que uma verdade de consequência funesta. Muito diferente de um perfil sociopata que muitas vezes tem arrependimento, Roy só usa a consciência para observar se está correndo perigo. O filme de Condon serve para provar o quanto é falsa a teoria de os velhos serem frágeis para manipular as pessoas, já que a velhice pode ter suas vantagens, bastando apenas descobri-las. O desempenho soberbo dos atores Ian McKellen e Helen Mirren, interpretando os personagens Roy e Betty, serve para mostrar que a velhice enquanto é castigo para um, pode ser prêmio para outro. A trilha sonora do filme A GRANDE MENTIRA foi composta por Carter Burwell que sem dúvida tem se mostrado cada vez mais maduro. A afirmativa é de alguém que acompanha sua trajetória cinematográfica, desde sua primeira trilha sonora para o filme Gosto de Sangue de 1984. Um dos pontos que mais chama a atenção nos trabalhos de Carter Burwell diz respeito a qualidade das soluções musicais que encontra para cada cena. Ao mesmo tempo em que reforça melodicamente uma cena, também nos prepara para determinados momentos, entoando acordes premonitórios como sinais de alerta para os espectadores. A GRANDE MENTIRA, seguramente é um grande thriller que diferentemente do  filme de Bill Condon, DEUSES E MONSTROS de 1998, que foi subestimado, já o seu novo filme tem tudo para agradar público e crítica. Tanto o perfil maquiavélico de mentiroso patológico do personagem Roy, quanto o lado enigmático de Betty, tudo isso se torna extremamente inspirador para um estudo de caso psicológico. Como o personagem Roy conta uma mentira com extrema sinceridade, o grande desafio que o espectador tem diante do filme é saber qual é A GRANDE MENTIRA!