A COR PÚRPURA (1985)

Publicado por admin em ter, 10/03/2017 - 14:48
Trilha sonora original do filme A Cor Púrpura composta por Quincy Jones

O filme A COR PURPURA, do cineasta Steven Spielberg, levou para as telas o livro de Alice Walker. Uma adolescente engravida do próprio pai que a separa dos filhos e a entrega a um negro dono de umas terras. São 156 minutos de uma narrativa densa que acompanha a trajetória dos personagens pelo espaço de tempo de 40 anos. O compositor John Williams, parceiro de Steven Spielberg, abriu mão indicando Quincy Jones para compor a trilha do filme, já que este teria todas as condições de fazer um exuberante trabalho. Quincy Jones teve sua trilha indicada ao Óscar e Globo de Ouro. Ele utilizou algumas músicas do cancioneiro tradicional americano e contou ainda com a colaboração, na condição de letrista, de Lionel Richie.

A narrativa do livro escrito por Alice Walker tem início em 1900, acompanhando a trajetória dos personagens da trama por quatro décadas. Com isso, o filme assume a condição de um painel social da história dos negros nos Estados Unidos, com uma narrativa cinematográfica perfeita de Steven Spielberg, sustentada por uma trilha sonora que oferece grande densidade ao discurso.

O primeiro trabalho de Quincy Jones para o cinema é de 1961, O HOMEM DO PREGO, filme dirigido por Sidney Lumet e que tem Rod Steiger no papel principal. Com essa trilha sonora, Quincy dava mostras de todo o seu enorme potencial que seria confirmado em outros trabalhos de grande relevo como MIRAGE (1965), DEVAGAR NÃO CORRA (1966). Ainda no ano de 1966, na trilha genial do filme ENCONTRO MARCADO COM UM MORTO, estrelado por James Mason, Quincy tinha a intenção de aproveitar uma canção-tema para o filme, o que seria uma novidade para a trilha. Numa noite, ele saiu para jantar com o diretor Sidney Lumet e eles foram até o Village, o bairro intelectual de Nova Iorque, onde uma cantora brasileira se apresentava todas as noites. Durante o jantar, Sidney Lumet fez referência à qualidade da cantora, quando então ouviu de Quincy que era justamente aquela moça que ele queria que interpretasse a canção “Who Needs Forever”. Bem, a brasileira era nada mais, nada menos do que Astrud Gilberto, que fez um estrondoso sucesso com Garota de Ipanema. Quincy Jones lançou Astrud Gilberto para interpretar canções no cinema e ela apareceu nas trilhas de outras produções cinematográficas como em OS LADRÕES (1971).

Quincy Jones compôs mais de 50 trilhas para o cinema, com sua música sempre revelando um grande refinamento.

Em 1967, compôs seu melhor trabalho, NO CALOR DA NOITE, que não foi indicado ao Oscar, mas ele concorreu com a música de A SANGUE FRIO.