O TERCEIRO HOMEM (1949)

Publicado por admin em seg, 10/02/2017 - 10:57
O TERCEIRO HOMEM COM TRILHA SONORA DE ANTON KARAS

O filme O TERCEIRO HOMEM, de Carol Reed, foi tremendamente valorizado a partir da trilha sonora composta pelo austríaco Anton Karas. O músico era visto com frequência sempre com sua cítara numa cervejaria de Viena, onde foi descoberto pelo cineasta Carol Reed que se sentiu contagiado por sua música.

 O produtor David Selznick tentou, muitas vezes, influenciar na trilha sonora de O TERCEIRO HOMEM, pois acreditava que uma orquestra, devido à atmosfera proposta pelo filme, daria mais peso à trilha. No entanto, o que prevaleceu foi a sensibilidade do diretor que ficou muito mais interessado no solo da cítara, a qual poderia oferecer ao filme um clima diferenciado de tudo que já havia sido visto no cinema. O trabalho de Anton Karas foi primoroso e o sucesso da sua música contribuiu para que o mundo pudesse conhecer a cítara, que apesar de ser considerado o instrumento de cordas mais importante da antiguidade greco-romana era muito pouco difundido.

O fato que circulou sobre as circunstâncias que contribuíram para a composição da melodia que Karas usaria em O TERCEIRO HOMEM, decorre de uma visita do compositor ao diretor. O cineasta Carol Reed o recebeu em sua casa, em Londres, Anton Karas atravessava uma fase difícil da sua trajetória profissional. Reed disse a ele que estava muito deprimido e que gostaria de ouvi-lo tocando cítara, com isso quem sabe melhoraria o seu estado de espírito. Karas desfilou por horas em sua cítara composições de sua autoria, porém Reed não ficou satisfeito. Quando já estava quase desistindo, Karas resolveu tocar a última música, que foi a que marcou para sempre a realização cinematográfica de Carol Reed em O TERCEIRO HOMEM. Em 1999 a gravadora Disconforme lançou a trilha sonora original do filme O TERCEIRO HOMEM, que contem diálogos do filme.

A música composta para o filme serviu para dar uma grande guinada na vida de Anton Karas, que alcançou um estrondoso sucesso, sendo homenageado por parte da família real britânica. Anton Karas passou a ser identificado pelo apelido de Mister Cinderela. Quando voltou para a Áustria, foi vítima de grande desprezo em seu próprio país, foi perseguido, processado e passou a viver no ostracismo.

Anton Karas faleceu no dia 09 de Janeiro de 1985, em Viena aos 79 anos de idade.