A NOSSA ESPERA

Publicado por admin em qui, 06/18/2020 - 10:03
O cineasta francês Guillaume Senez em seu segundo longa metragem para o cinema em 2018, adentra o espectro familiar, afetado pelas relações trabalhistas. Olivier , interpretado pelo ator Roman Duris é um líder sindicalista que comanda o chão de fábrica, mantendo a produção e sem hora para voltar para casa.

O cineasta francês Guillaume Senez em seu segundo longa metragem para o cinema em 2018, adentra o espectro familiar, afetado pelas relações trabalhistas. Olivier , interpretado pelo ator Roman Duris é um líder sindicalista que comanda o chão de fábrica, mantendo a produção e sem hora para voltar para casa. Lucie a esposa que se dedica ao casal de filhos, cumpre sua jornada de trabalho numa loja de roupas e de repente se vê esgotada física e psicologicamente. No retorno para casa, depois das dez da noite, de repente Olivier percebe que as crianças nem jantaram e a mãe desapareceu. Sem nenhuma pista de onde a mãe possa estar, sem telefone e sem ter deixado nenhum bilhete, a rotina daquela casa é afetada. O pai tenta alterar a sua jornada de trabalho, mas ele é o líder sindical, se de um lado ele comanda os colegas , mas parece que a voz de comando em casa, com os filhos nunca existiu, já que isso era tarefa da mãe desaparecida. A sorte de Olivier é ter uma mãe dedicada, que pode passar algumas horas com seus filhos. De quebra a sua irmã solteira, é a tia que todos os sobrinhos gostariam de ter, alegre, extrovertida e profundamente humana. A família Vallet continua sem notícia da mãe, enquanto o pai Olivier vai ter que repensar sua maneira de ser, mas sem ajuda dos personagens femininos que o cercam isso seria impossível. O filme é profundamente enriquecedor ao mostrar o quanto o mundo do trabalho afeta o âmbito familiar.  A NOSSA ESPERA, nossa dica cinematográfica