PARIS PODE ESPERAR.(2016)

Publicado por admin em seg, 10/09/2017 - 08:30
Paris Pode Esperar primeiro longa de Eleanor Coppola.

Este é o título da comédia romântica dirigida por Eleanor Coppola, esposa do cineasta Francis Ford Coppola, que marca sua estreia em longa-metragem em 2016, ela que completou 81 anos de idade em 2017. O que você pode esperar do filme ? Muita coisa, principalmente pela história que a cineasta Eleanor resolveu contar.  Anne ( Diane Lane)  é uma cinquentona casada com um produtor cinematográfico Michael ( Alec Baldwin) que é apaixonado pelo cinema. O casal viaja para o Festival de Cannes, mas de repente Michael é convocado para resolveu pendências de uma filmagem na Hungria. Como o casal viajaria para Paris, Michael escala seu sócio Jacques (Arnaud Viard) para acompanhar sua esposa até a capital francesa. Jacques é um francês que gosta de cinema mas muito mais que isso, adora mulheres, comidas e vinhos. Jacques resolve então levar Anne em seu carro esportivo, pois segundo ele é desta forma que se conhece a França. Uma viagem que poderia durar no máximo cinco horas, dura dois dias, pois as paradas são irresistíveis ao paladar com pratos deliciosos e ao prazer com vinhos apaixonantes. Nesse espaço de tempo é possível então que comece a surgir uma situação que levaria a formular a seguinte questão:  será que você é feliz? Esta é a pergunta que Jacques faz a Anne, pois como um grande Don Juan, dependendo da resposta, a porta estaria aberta para um novo romance. Mas acontece que Anne está casada há vinte anos, tem uma filha com Michael e não dá pistas de estar pensando em aventuras amorosas. Por isso, muita gente, durante todo o filme fica na expectativa de que surja um triângulo amoroso, mas isso você só vai descobrir assistindo este filme maravilhoso, envolvente e profundamente apetitoso.

A trilha sonora de acompanhamento da compositora Laura Karpman está sob medida. Laura iniciou sua carreira em 1989 já tem mais de 100 trilhas compostas, sendo a maioria para series televisivas e documentários. Mas neste longa ela deixa a marca do seu talento, com a sua música não concorrendo com as cenas, mas procurando sempre pontuá-las da melhor maneira. Para tanto, a fórmula encontrada foi de misturar alguns ritmos, principalmente identificados com o perfil francês como de bossa nova e jazz, sempre muito afinados.