LICENÇA PARA AMAR ATÉ A MEIA-NOITE

Publicado por admin em qua, 10/10/2018 - 20:19
Mas seria importante resgatarmos trabalhos pouco conhecidos, mas que mais uma vez John Williams, dotado de uma sensibilidade extraordinária é capaz de vestir os personagens com acordes mágicos. Um exemplo disso está na produção de 1973 dirigida por Mark Rydell, LICENÇA PARA MAR ATÉ MEIA-NOITE.

Quando falamos de um compositor como John Williams, estamos tratando de um expoente da música no cinema que desenvolveu uma habilidade muito grande na construção melódica das suas trilhas. Claro, falar das trilhas de filmes que alcançaram grande sucesso, praticamente estaríamos endossando muitas coisa que foi dita das suas trilhas que arrebataram importantes prêmios como o próprio Oscar, a partir de UM VIOLINISTA NO TELHADO, TUBARÃO, GUERRA NAS ESTRELAS, ET,A LISTA DE SHINDLER e tantos outros trabalhos para filmes que conquistaram prestígio e prêmios. Mas seria importante resgatarmos trabalhos pouco conhecidos, mas que mais uma vez John Williams, dotado de uma sensibilidade extraordinária é capaz de vestir os personagens com acordes mágicos. Um exemplo disso está na produção de 1973 dirigida por Mark Rydell, LICENÇA PARA MAR ATÉ MEIA-NOITE. A sensibilidade de John Williams em perceber que o instrumento gaita, estaria perfeitamente adequado ao clima pretendido para refletir aquela história de um envolvimento amoroso de um marinheiro interpretado por James Caan e uma prostituta interpretada por Marsha Mason. A trilha é valorizada pela participação do gaitista belga Jean Toots Thielemans. A gaita já havia sido utilizada por John Williams, um ano antes, por ocasião do western OS COWBOYS, mas em LICENÇA PARA AMAR ATÉ MEIA-NOITE, esse solo de gaita teve uma conotação romântica e erótica, mas também resgatando um ritmo temperado por pitadas de jazz e blues.