A NOIVA DE FRANKENSTEIN (1936)

Publicado por admin em seg, 10/02/2017 - 10:17
A Noiva de Frankenstein trilha sonora de Franz Waxman

No ano de 1930, o compositor Franz Waxman teve sua primeira oportunidade no cinema alemão trabalhando com diretores como Carl Boese e Fritz Lang, profundos admiradores do seu trabalho. Numa noite, quando Waxman voltava para casa, foi covardemente agredido por um antissemita, tratando-o como judeu. Tal fato acabou precipitando uma ideia que ele já estava amadurecendo, morar uns tempos em Paris. Passou um ano na França e depois seguiu para os Estados Unidos com o objetivo de trabalhar em Hollywood. O primeiro sucesso veio com o filme A NOIVA DE FRANKENSTEIN, com Boris Karloff no elenco e dirigido por James Whale, em 1935, um marco do terror com música estupenda, como uma dança macabra de deixar Sains Senz boquiaberto. Franz Waxman disse certa vez: “a música de cinema deve-se fazer notar de forma imediata, já que só é ouvida uma vez, geralmente por um púbico pouco preparado e que, além disso, não foi ao cinema para ouvir música”. Em 1993, a gravadora inglesa Silva Screen editou a trilha sonora do filme, executada brilhantemente pela Orquestra Filarmônica de Westminster, com a regência de Kenneth Alwyn.

Franz Waxman nasceu na véspera do Natal de 1906, em Königshütte, Silesia, onde hoje é a Polônia. Ele foi a única criança na família a mostrar interesse pela música. Na época, ser músico não era desfrutar de uma profissão estável, o que não condizia com o que a sua família pretendia para ele. Waxman teve que trabalhar muito para sustentar os estudos e aos 17 anos se matriculou na Academia de Música da cidade de Dresden e mais tarde no Conservatório de Música de Berlin, onde estudava durante o dia, à noite, trabalhava tocando piano em bares e boates.

A adaptação de Waxman nos Estados Unidos foi extraordinária, era admirado e respeitado por produtores, diretores e colegas compositores como Max Steiner, Dimitri Tiomkn, Alfred Newman e Victor Young. Em 1947, ele fundou o Los Angeles Music Festival com intuito de valorizar a música erudita, que sempre esteve no horizonte da sua inspiração. Franz Waxman deixou um acervo de importantes peças para violino, viola, violoncelo, trompete, peças para piano e orquestra, piano e flauta, enfim, um acervo de obras notáveis.

Em 1950, ganhou o seu primeiro Óscar com a música de CREPÚSCULO DOS DEUSES e o segundo em 1951 pelo trabalho para o filme UM LUGAR AO SOL. Vale lembrar que Franz Waxman em anos anteriores já havia sido indicado em cinco oportunidades para o referido prêmio.

Existem alguns paralelos interessantes entre as carreiras de Franz Waxman, Dimitri Tiomkin e Max Steiner. They were all born and received their musical education far removed from the influence of Hollywood, in the case of Waxman this was in Germany, and all three started their Hollywood careers in the 1930s between them sowing up many of the big films produced over the next two decades. Todos receberam uma educação musical afastada da influência de Hollywood, Waxman, por exemplo, estava na Alemanha. Os três compositores começaram a carreira na década de 1930 e entre eles há um eixo comum de muitos dos grandes filmes produzidos ao longo de duas décadas. A comprovação do talento de Franz Waxman pode ser percebida pela incursão em distintos gêneros, do terror ao filme de guerra, do drama ao romance, sempre com sua música exercendo um papel preponderante no contexto da narrativa cinematográfica. O compositor Franz Waxman disse certa vez:

"A trilha sonora não pode ser reconhecida como sinfonia e muito menos como poema sinfônico, como também não é uma sonata. Antes de tudo isso é bom observar que a trilha não se prende a dois ou mais andamentos bem definidos. Sua concepção parte da imagem do filme. Um filme é composto de trechos musicais e que são medidos em segundos."

Composições memoráveis podem ser destacadas como em REBECCA A MULHER INESQUECÍVEL, UMA CRUZ A BEIRA DO ABISMO, A HISTÓRIA DE RUTH, MINHA DOCE GUEIXA, TARAS BULBA e JANELA INDISCRETA.

 Vitimado por um câncer, Franz Waxman faleceu no dia 24 de fevereiro de 1967, em sua casa em Los Angeles. Deixou um legado de maravilhas musicais para o cinema além de  operetas, quartetos, temas, variações, fugato etc.