ANIVERSÁRIO DE CARTER BURWELL

Publicado por admin em sex, 11/17/2017 - 21:02
O interessante no trabalho de Burwell está a sua preocupação em estudar bem o perfil dos personagens, para depois pensar no tipo de música que ele vai utilizar.

Neste dia 18 de novembro está aniversariando o compositor Carter Burwell ele nasceu em Nova Iorque em 1955. Quando Burwell tinha doze anos, a sua grande paixão em se tratando de música no cinema eram os temas dos filmes de James Bond. Aliás, Burwell nunca escondeu uma simpatia muito grande com relação aos trabalhos de John Barry, nem só os temas de James Bond, mas também as trilhas sinfônicas produzidas pelo compositor inglês.  

Sua carreira oficial no cinema começou em 1984, quando foi convidado pelos irmãos Coen para compor a trilha sonora de GOSTO DE SANGUE.

 A partir do filme Gosto de Sangue começa uma parceria bem sucedida e duradoura de Carter Burwell com os irmãos Coen. Tres anos mais tarde, 1987 Burwell e os irmãos Coen estariam juntos para o filme Arizona Nunca Mais. O interessante no trabalho de Burwell está a sua preocupação em estudar bem o perfil dos personagens, para depois pensar no tipo de música que ele vai utilizar.

Carter Burwell é da mesma teoria de Nino Rota, que a música deve ficar numa posição marginal no filme, não sendo percebida e com isso cumprindo bem o seu papel. Com isso muitos rotulam seu trabalho de música incidental.

Fargo – UMA COMÉDIA DE ERROS . filme dos irmãos Coen pode ser considerado como um dos mais apurados trabalhos de Burwell. Habilmente, o tema principal é em parte baseado em uma melodia tradicional do povo norueguês  (a maioria dos habitantes de Dakota são de descendência escandinava, conseqüentemente os sobrenomes incomuns no filme). Temos então na música inicial motivos de harpa , um solo de violino ardiloso mas agradável por Paul Peabody com acompanhamento de percussão pesada. Os irmãos Coen resolveram refilmar o clássico dirigido por Henry Hataway Bravura Indômita, estrelado por John Wayne em 1969. Mas a rigor a história escrita por Charles Portis serviu apenas de gancho, pois o roteiro foi inteiramente repaginado pelos irmãos Coen de forma a preservar uma história clássica do velho oeste. Diferentemente do estilo marcante de Elmer Bernstein, a proposta de Burwell foi bem diferente.

Carter Burwell com a sua trilha para o filme CAROL, ele acabou conquistando pela primeira vez uma  indicação para concorrer ao Oscar. O caminho está aberto. Até aqui são 100 trilhas compostas, indicações para 60 prêmios e a conquista de outros 27. Carter Burwell justificou a indicação, bem como a conquista de prêmios como o Award Soundtrack de Ghent na Belgica.