O CENTENÁRIO QUE FUGIU PELA JANELA E DESAPARECEU (2013).

Publicado por admin em sab, 10/21/2017 - 15:13
O Centenário Que Fugiu Pela Janela e Desapareceu trilha sonora original composta por Matt Bye.

Pelo título poderia lembrar aqueles filmes de Kurosawa com títulos longos como aquele de 1960 Os Homens que Pisaram na Cauda do Tigre. O CENTENÁRIO QUE FUGIU PELA JANELA E DESAPARECEU é o título do livro escrito por Jonas Jonasson e que foi muito bem adaptado para o cinema pelo cineasta sueco Felix Herngren  em 2013 no seu segundo longa metragem, ele que se especializou em series televisivas. Se o título não é muito inspirador para despertar o seu interesse, quem sabe contando um pouco da história você não muda de idéia. Primeiro você poderia imaginar sobre o gênero do filme e pelas primeiras cenas, pensaria num drama denso sobre Allan, um homem centenário que morava num lar de idosos. A partir do momento em que tomar conhecimento sobre o que aconteceu antes dele chegar ao abrigo, então você poderá até mudar o gênero, pois o gato de estimação de Allan foi morto por uma raposa, e o que ele fez com a raposa? Simplesmente dinamitou-a! Essa cena é extremamente importante quanto a mostrar o próprio perfil desse homem centenário. O que era drama já passa para um tom de aventura, claro que não pretendo contar o filme, mas imagina agora que esse centenário foi testemunha de fatos históricos, tendo vivido alguns que vão desde a Revolução Russa de 1917, passando pela ditadura de Franco até a queda do muro de Berlim, é ou não uma experiência fantástica? Numa narrativa binária que alterna os fatos do presente com o passado, isso transforma o complexo livro de Jonasson no filme O Centenário Que Fugiu pela Janela e Desapareceu, uma divertida comédia que é valorizada sobretudo pelo desempenho fantástico do cômico sueco Robert Gustafsson que também veio das series televisivas para o cinema. Mas, a grande surpresa desse filme ficou mesmo por conta da sua trilha sonora que é verdadeiramente primorosa e foi composta por Matti Bye. Trata-se de um compositor de formação erudita que se especializou no piano e com isso desenvolveu uma técnica semelhante à do meu amigo Tony Berchmans. Acontece que em 1989 quando estudava música em Estocolmo, certa vez Matti Bye teve um desafio interessante pois o clube de cinema da escola foi exibir o clássico Encouraçado de Potemkin de Serguei Eisenstein e ele acabou fazendo o acompanhamento das cenas ao piano. A partir dessa experiência, ele tratou de aperfeiçoar o improviso e isso tem auxiliado no sentido de oferecer aos filmes uma qualidade de acompanhamento verdadeiramente extraordinária como ficou evidenciado em O Centenário Que Fugiu pela Janela e Desapareceu. A trilha sonora de Matt Bye mostra que a sua capacidade de improvisar acabou se constituindo na soma de todas as suas experiências vivenciadas.