QUERIDO MENINO

Publicado por admin em ter, 01/15/2019 - 10:19
O jornalista David Sheff resolveu contar num livro a experiência vivenciada com seu filho que acostumado desde crianças as ondas marítimas, de repente mergulhou no mar das drogas. Este foi o quinto longa metragem do belga Felix van Goreninguen que também assina o roteiro.

Esta é a versão que o filme BEAUTIFUL BOY ganhou, com o título baseado na canção de John Lennon. Aliás, a essência do enredo dessa cinebiografia pode ser resumida num dos trechos da canção   de Lennon que diz: “A vida é o que acontece com você enquanto você está ocupado fazendo outros planos.” O jornalista David Sheff resolveu contar num livro a experiência vivenciada com seu filho que acostumado desde crianças as ondas marítimas, de repente mergulhou no mar das drogas. Este foi o quinto longa metragem do belga Felix van Goreninguen que também assina o roteiro. Uma adaptação de cinebiografia não é uma tarefa fácil, ainda mais quando se utiliza do recurso da narrativa binária, com os constantes vai e vem da história, resgatando as cenas do passado intercalando com o presente. No elenco, vivendo o papel do jornalista David, o ator Steve Carrell que sem barba se identifica com comédias, mas que com a barba convence muito bem no draman. Quem brilha na interpretação do jovem Nic é o ator americano Timothée Chalamet, o mesmo de ME CHAME PELO SEU NOME. Para viver o papel do jovem viciado em múltiplas drogas ele teve que emagrecer 18 quilos. Como diz a própria canção de John Lennon “...é um longo caminho a percorrer” e numa trajetória de várias recaídas do filho, de volta as drogas, estava em prova a extensão dos laços afetivos de um relacionamento pai e filho. Assim como o filho Nic tinha recaídas, o pai também parecia desistir, mas a compaixão falava mais alto, fazendo valer a pena a perseverança de um pai em ver seu filho livre das drogas. Sendo o cineasta Felix van Goreninguen oriundo de uma cidade belga que valoriza sobremaneira a trilha sonora, sendo esta em distintos momentos procurando marcar época, principalmente em se tratando de pai e filho com gostos musicais extremamente ecléticos indo de John Coltrane a Nirvana. O cineasta optou por utilizar muito mais a chamada música de cena, aquela que emana do rádio ou toca discos, do que propriamente a música assumir uma função emocional no filme. Muito diferente de outras produções abordando a temática das drogas, mas procurando demonstrar um realismo chocante, o filme assume o papel de focar as experiências dos próprios personagens em cena. E a máxima do condicionamento do pensamento positivo para não desistir nunca, como diz o refrão da música de Jon Lennon: “Todos os dias, em todos os sentidos, vou cada vez melhor !