TRIBUTO PARA JAMES HORNER

Publicado por admin em ter, 08/14/2018 - 15:00
Um dos grandes méritos que James Horner conseguiu imprimir através das suas trilhas, foi de cumprir um papel de extrema funcionalidade. Em que pese, em alguns momentos a música assumir uma preponderância justificada pelas próprias cenas como em CORAÇÃO VALENTE e MAR EM FÚRIA, de outra parte a trilha se submetia passivamente as cenas a quem transferia todos os méritos.

James Horner nasceu no dia 14 de agosto de 1953 em Los Angeles, vindo a falecer em decorrência de um acidente com um helicóptero no dia 22 de junho de 2015.  Horner  começou a estudar piano com cinco anos de idade e graduou-se  na Academia  Real de Música de Londres, nos anos setenta. James Horner recebeu o título de Doutor em Composição de Música e Teoria pela UCLA. Horner começou a compor trilhas para filmes ainda no tempo de faculdade. Pela sua formação erudita, pelo fato de valorizar grandes orquestras, ele quase nunca abria mão de trabalhar com a Sinfônica de Londres. A sua influência erudita ficava latente em algumas oportunidades como por ocasião do filme de 1983, MISTÉRIO NO PARK GORK, trabalho inspirado em Tchaikovsky. Aliás Horner sempre assumiu uma preferência pelos compositores russos, notadamente Shostakovich e Prokofiev.  Nunca escondeu a grande admiração que sempre teve pelos grandes mestres da música no cinema, especialmente por Jerry Goldsmith e John Williams chegando a assumir ter sofrido influência desses nomes em suas músicas. Numa carreira que durou trinta e seis anos, compôs para mais de 130 filmes entre produções para o cinema e televisão. Conquistou mais de 50 prêmios, inclusive dois Oscars pela trilha sonora de TITANIC, respectivamente melhor canção e trilha instrumental. 

Poderíamos destacar os seus trabalhos mais importantes por décadas, começando pelos anos oitenta com as músicas para KRULL (1983), JORNADA NAS ESTRRELAS III- A PROCURA DE SPOCK (1984),COCOON (1985),   O NOME DA ROSA (1986),WILLOW :NA TERRA DA MAGIA (1988) e CAMPO DE SONHOS (1989). Durante a década de noventa trilhas expressivas para os filmes ROCKETEER (1991), JOGOS PATRIÓTICOS (1992), LENDAS DA PAIXÃO (1994), CORAÇÃO VALENTE (1995) e A MÁSCARA  DO ZORRO(1998). A partir dos anos 2000 outras trilhas inesquecíveis para os filmes MAR EM FURIA (2000), UMA MENTE BRILHANTE (2001), TRÓIA (2004), APOCALYPTO (2006) E AVATAR (2009). 

Um dos grandes méritos que James Horner conseguiu imprimir através das suas trilhas, foi de cumprir um papel de extrema funcionalidade. Em que pese, em alguns momentos a música assumir uma preponderância justificada pelas próprias cenas como em CORAÇÃO VALENTE e MAR EM FÚRIA, de outra parte a trilha se submetia passivamente as cenas a quem transferia todos os méritos. Seu derradeiro trabalho foi a trilha sonora do filme SETE HOMENS E UM DESTINO de 2016.

Uma trilha que poderia expressar uma síntese de toda a sua produção para o cinema é a trilha sonora do filme de 1988 WILLOW :NA TERRA DA MAGIA. Com todo o seu peso erudito, a trilha sonora é uma expressão perfeita de uma autêntica sinfonia.