A VERDADE

Publicado por admin em seg, 02/24/2020 - 12:31
O filme A VERDADE do cineasta japonês Hirokazu Koreeda, consegue em alguns momentos, resgatar um clima dos filmes de François Truffaut, particularmente A Noite Americana e O Último Metro. Uma pena, que diferentemente de Truffaut que sempre permitia que a música de Georges Delerue pudesse reforçar as cenas dos seus filmes, não tenha influenciado Koreeda, que poderia ter aproveitado melhor a trilha sonora de Alexei Aigui.

O cineasta japonês Hirokazu Koreeda desde 2008, por ocasião do filme ANDANDO,  tem demonstrado capacidade ao trabalhar com a temática das relações familiares. Não foi por acaso que em 2018 ele faturou a Palma de Ouro do Festival de Cannes pelo filme Assunto de Família. No ano passado, ele consegue levar para as telas dos cinemas, um projeto que acalentava há pelo menos dez anos. Era um filme que falava de duas atrizes e logo veio a intenção de reunir num elenco, duas expressões do cinema francês, Catherine Deneuve e Juliette Binoche. Foram várias conversas durante muito tempo, justamente com essas duas atrizes, que permitiu ao cineasta amadurecer a ideia e solidificar o roteiro do filme. Como se tratava de um filme rodado na França, com duas atrizes francesas e falado em francês, Koreeda tratou logo de globalizar a sua produção. Assim sendo, a culinária que predomina nas ações do filme é a italiana através de um cheff italiano. O marido de Lumir ( Juliett Binoche) é o ator norte-americano Ethan Hawke, enquanto que na trilha sonora temos então um russo, Alexei Aigui. Fabienne (Catherine Deneuve) acaba de lançar a sua biografia, mas determinadas omissões criam animosidades com o seu secretário e braço direito e a própria filha Lumir. Fabienne está rodando mais um filme, no qual ela faz o papel de uma octogenária, quando demonstra uma incapacidade em aceitar a sua própria idade. A sua filha Lumir, que é roteirista, resolve acompanhar as filmagens e isso reforça o perfeccionismo de Fabienne em acreditar que poderia ter feito melhor cada cena. O tema principal do filme foca justamente no tamanho do amor, na relação mãe e filha. A pergunta é a seguinte: até que ponto Fabienne conseguiu se desprender da arte de representar e falar do seu amor pela filha ? Ou será que até no papel de mãe, Fabienne vê a oportunidade de representar ? O filme A VERDADE do cineasta japonês Hirokazu Koreeda, consegue em alguns momentos, resgatar um clima dos filmes de François Truffaut, particularmente A Noite Americana e O Último Metro. Uma pena, que diferentemente de Truffaut que sempre permitia que a música de Georges Delerue pudesse reforçar as cenas dos seus filmes, não tenha influenciado Koreeda, que poderia ter aproveitado melhor a trilha sonora de Alexei Aigui.